Após liminar do STF, prazos da Lei Aldir Blanc são prorrogados no Ceará


O Governo do Ceará obteve liminar no Supremo Tribunal Federal (STF) para prorrogação dos prazos de execução e prestação de contas da Lei Aldir Blanc (14.017/2020) no Estado. A decisão foi da ministra Cármen Lúcia, desta segunda-feira (22).

O pedido de prorrogação havia sido ajuizado em Ação Cível Originária (ACO) pela Secretaria da Cultura do Estado (Secult), por meio da Procuradoria Geral do Estado (PGE), no último dia 6. A motivação foi a dificuldade dos trabalhadores da cultura e artistas de executarem e prestarem contas no prazo inicial, até o fim de março.

Com a decisão, a categoria terá mais tempo para apresentar o Relatório de Gestão Final ao Ministério de Turismo e para a execução dos projetos apoiados pela Aldir Blanc.

A Secult Ceará ainda deve lançar um edital sinalizando as novas datas de execução de projetos.

DECISÃO INÉDITA

O Ceará é o primeiro estado a entrar e a conseguir a autorização da prorrogação, abrindo precedentes para todo o País.

Para a Secult Ceará, a prorrogação dos prazos era urgente, visto que a crise causada pela pandemia de Covid-19 tornou inviável a realização da maioria dos projetos culturais.

Além disso, a pasta argumenta que a execução da lei ganhou nova roupagem com a Medida Provisória nº 1.019/2020, que admitiu que os recursos já empenhados no exercício de 2020 fossem liquidados e pagos para os agentes culturais no exercício de 2021. Mas, como não se prorrogou o prazo para prestação de contas dos recursos, houve um descompasso, inclusive obrigando a prestação de contas antes do efetivo repasse dos recursos.


FOTO | Camila Lima
Texto | Redação Diário do Nordeste


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial