Núcleo EUS premia artistas negros e periféricos em mostra nacional de produções em dança

Grupos e artistas periféricos podem inscrever seus trabalhos entre 10 de fevereiro e 1 de março

 

Em execução com diversas atividades totalmente online, a rede de dançarinos que forma o Núcleo EUS abre inscrições para mostra nacional de produções de dança e artes integradas produzidas em periferias brasileiras. Grupos e artistas podem inscrever seus trabalhos na II Mostra Etnografias Urbanas Subversivas [In] Rede, de 10 de fevereiro a 1 de março, que serão apresentados ao público de 29 de março à 3 de abril, em plataformas digitais.

 

Em sua segunda mostra em meios digitais, O Núcleo Eus busca firmar uma rede de colaboração entre artistas negros e periféricos premiando projetos produzidos em todo país. “Num período caótico da vida em sociedade, essa Mostra consolida nossas intenções e compromissos com a nossa ancestralidade e também com nossos sonhos de futuro”, diz Leonardo Luz, um dos curadores e membro fundador do grupo.

 

Com foco na diversidade e no fortalecimento das produções artísticas, Leonardo ressalta que o grupo visa encontrar a diversidade de produções e fortalecê-las como estratégia de amadurecimento de ideias que são marginalizadas. “Essas ideias carregam e  traduzem em cada forma, cada história contada, o que é nossa proposta”, lembra Luz, ao afirmar que “EUS” é a pluralização da primeira pessoa do singular para pensar como os atravessamentos com outras pessoas nos constrói.  

 

A Mostra tem o apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.

 

 

 

Periferia visível

 

A II Mostra Etnografias Urbanas Subversivas [In] Rede selecionará 26 trabalhos artísticos de todos os estados brasileiro em formato de videoarte, que serão premiados nas seguintes categorias: 6 espetáculos de 30 a 60 minutos, que receberão R$ 1 mil reais (sendo 50% para artistas da Bahia); 10 produções de 10 a 15 minutos, receberão R$ 600 reias, e, 10 trabalhos de 3 a 5 minutos levaram prêmios de R$ 300 reais, totalizando R$ 15 mil em produções pretas e periféricas. 

 

“A Mostra busca potencializar os diversos quadros artísticos que existem nas periferias”, explica Ronald Castro, um dos curadores do projeto. O dançarino baiano que integra a colaboração de artistas dessa produção afirma a mostra como uma plataforma de visibilidades. “Nosso interesse é expor como a periferia é plural em suas individualidades, a partir de uma riqueza artística contrariando o lugar de carência, mas, reafirmando suas potências!", realça.

 

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas através do formulário online (https://forms.gle/8twsUKXuPTUof3767 ), no período de 10 de fevereiro a 1 de março. Mais informações podem ser consultadas no instagram do grupo @nucleoeus. 

 

De 29 de março a 3 de abril, o público poderá acompanhar as apresentações de trabalhos selecionados, incluindo o trabalho “Odé-ssi, uma caça interna”, espetáculo em produção do Núcleo Eus, que aborda a relação entre o orixá e suas interferências na sociedade a partir de uma linguagem contemporânea.


SERVIÇO


O QUE: Inscrições para apresentações de trabalhos da II Mostra Etnografias Urbanas Subversivas [In] Rede

QUANDO:  10 de fevereiro à 1 de março

ONDE: Plataformas digitais

GRATUITO 


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial