Museu Tempostal lança a campanha 'Um museu na minha casa'

Museu Tempostal acaba de lançar um convite para as pessoas que estão em isolamento social neste tempo de pandemia. Trata-se da campanha “Um museu na minha casa”, uma proposta para que as pessoas criem um museu com seus objetos pessoais que representem sua ancestralidade e identidade. O material da campanha será divulgado posteriormente nas redes sociais da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC).

Para participar é simples. Fotografe um espaço dentro de sua casa com objetos que representem o seu museu particular e escreva um pequeno texto explicativo e evidenciando a importância das peças. Neste texto coloque ainda o título do seu museu, seu nome completo, idade, profissão e contatos (telefone e endereço completo). Depois envie o material para o e-mail museutempostal.dimus@gmail.com até 30/06. No assunto do e-mail escreva “Um museu na minha casa” + o título do seu museu.

A campanha foi lançada na última live realizada pelo museu, em 19/06, quando a convidada Cássia Valle (atriz, museóloga, escritora e diretora do espetáculo “Sarauzinho da Calu”) contou a história “Calu: uma menina cheia de histórias”, livro lançado por ela e Luciana Palmeira. A ideia da campanha nasceu a partir deste livro que conta a história de uma menina que cria um museu da sua cidade ressaltando a importância do sentimento de pertencimento da população para o patrimônio material e imaterial.

“Com o isolamento social acabamos ficando a maior parte do tempo dentro das nossas casas e, com isso, temos mais tempo para estarmos próximos dos nossos entes queridos ouvindo as histórias e conhecendo as habilidades particulares de cada um. Temos, ainda, mais contato com os objetos afetivos que fazem lembrar e aproximar dos familiares próximos ou distantes. Essa atividade é importante e divertida ao mesmo tempo, pois mostra que nossos objetos têm significados diferentes e que, pra se criar um museu, só precisamos das nossas memórias e da importância que damos a elas”, explica a coordenadora do museu, Aiala Gonçalves.

O acervo do Museu Tempostal é composto por postais, estampas e fotografias, em sua maioria, procedentes da coleção de Antônio Marcelino do Nascimento. As peças, datadas do final do século XIX e meados do século XX, representam imagens de valor histórico, artístico e documental, não só da Bahia e do Brasil, mas também de diversos países do mundo, sobre as mais variadas temáticas.  O Museu Tempostal integra os espaços administrados pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA).

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial