SALA DO CORO DO TCA DESTACA CRIAÇÃO DE NEGROS E NEGRAS DA BAHIA



Iniciada em setembro, a programação especial de retomada da Sala do Coro do Teatro Castro Alves (TCA) segue até dezembro. Neste mês, o foco está no Novembro Negro, com pautas que se engajam na negritude e na criação de negros e negras da Bahia. Haverá três shows na “Terça da Música”, com a cantora Aiace, a banda Igor Gnomo Group e Pedro Morais homenageando Cartola. Ainda de música, o encontro do Movimento Black Afro Pop. De teatro, estão agendadas uma temporada de “Medeia Negra”, do grupo Vilavox, e apresentações do espetáculo “Isto não é uma mulata”, de Mônica Santana.

O mês de novembro da Sala do Coro também recebe a X Jornada de Dança da Bahia, que trará ao palco seis peças de dança em quatro dias, incluindo o infanto-juvenil “Bonito”, de Paula Lice. Para completar com chave de ouro, a temporada de estreia da nova montagem do grupo Teatro NU, escrita e dirigida por Gil Vicente Tavares: “As Tentações de Padre Cícero”.

SELEÇÃO PÚBLICA – Esta ocupação resulta da Convocatória Especial Nova Sala do Coro – Ocupação da Pauta Artística da Nova Sala do Coro do TCA, lançada pelo TCA e pela Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), que contabilizou 113 inscrições. Deste montante, 27 projetos artísticos selecionados, nas linguagens de teatro, dança, circo e música, se unem à Orquestra Sinfônica da Bahia (OSBA), ao Balé Teatro Castro Alves (BTCA), aos Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia (NEOJIBA) e à Escola de Dança da Funceb para realizar um total de 80 apresentações, a preços populares. Na seleção das propostas, a curadoria buscou contemplar o maior número possível de atividades, observando a capacidade técnica e operacional da Sala do Coro do TCA, a diversidade dos projetos e seus públicos-alvo.

CONFIRA PROGRAMAÇÃO (sujeita a alterações) Informações completas em www.tca.ba.gov.br

DIAS 2, 3, 4, 9, 10 e 11, às 20h
TEATRO: MEDEIA NEGRA
A tragédia grega atualizada na voz e no corpo de uma mulher negra. Medeia Negra é um grito, épico, lírico e musical. A releitura traz a personagem trágica em um corpo bárbaro, atemporal, negro e sua relação com a versão mais conhecida do mito, do trágico Eurípides. Medeia representa as mães ancestrais que expressam a morte como transformação e reconstrução e não como o fim da vida. Nesta montagem, o mito grego é revisitado pelo processo de descolonização do pensamento patriarcal e, através dele, questiona o condicionamento social que marginaliza, julga e condena corpos considerados inadequados, estrangeiros, estranhos. Medeia Negra é o mais novo espetáculo do grupo Vilavox, primeiro solo da atriz Márcia Limma, com direção de Tânia Farias (Oi Nóis Aqui Traveiz/RS) e dramaturgia de Marcio Marciano (Coletivo de Teatro Alfenim/PB) e Daniel Arcades (Grupo NATA – Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas/BA).
Quanto: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)
Classificação indicativa: 16 anos

DIA 6, às 20h
TERÇA DA MÚSICA: AIACE
Aiace apresenta o show de lançamento de “Dentro Ali”, seu primeiro disco solo. A noite conta com a participação especial do cantor Lazzo Matumbi. O álbum foi lançado digitalmente em 2017 e pode ser escutado na íntegra nas principais plataformas digitais. No show, Aiace vai apresentar as músicas que fazem parte disco, que conta com participações de nomes importantes da música brasileira como Luiz Melodia e Lazzo, além de regravações de clássicos como a música “Na Primeira Manhã”, de Alceu Valença. No palco, a cantora terá companhia da banda formada pelos músicos Alexandre Vieira (baixo), Sebastian Notini (bateria), Bruno Aranha (teclado), Théo Silva (Guitarra) e Gabi Riddim (programações eletrônicas). A direção musical fica sob o comando do multi-instrumentista Jorge Solovera.
Quanto: 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Classificação: Livre

DIAS 7 e 14, às 20h
TEATRO: ISTO NÃO É UMA MULATA
Vencedor do Prêmio Braskem de Teatro 2015, na categoria Revelação, o solo teatral “Isto Não É Uma Mulata” é uma obra que provoca reflexões sobre a representação da mulher negra, além de apontar as fragilidades do mito da democracia racial brasileira, com ironia e humor. Com criação e atuação de Monica Santana, a obra ganhou ressonância na cena teatral de Salvador por trazer uma perspectiva de discussão sobre as questões raciais, com uma linguagem aproximada com a performance, mas também incorporando elementos de cultura pop, ironia, depoimento pessoal e apontamentos de teatro épico. Partindo da famosa frase proferida por Gilberto Freyre “Branca para casar. Mulata para fornicar. Negra para trabalhar”, a artista Mônica Santana tece obras que questionam as formas de representação da mulher negra: seja a mestiça hipersexualizada, de formas exuberantes e sempre disponível para o sexo, seja a negra escura para o serviço braçal. 
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Classificação: 14 anos

DIA 13, às 20h
TERÇA DA MÚSICA: IGOR GNOMO GROUP
O Igor Gnomo Group, natural da cidade de Paulo Afonso (Bahia), apresenta em sua sonoridade influências do jazz rock em simbiose com a música brasileira (ijexá, baião, maracatu). Com dois trabalhos autorais lançados, passando por diversos festivais pelo Brasil e Argentina, participações ao lado de Armandinho Macêdo, Luciano Magno, André Neiva, Gabriel Pensador, Coutto Orchestra, o trio é liderado pelo guitarrista Igor Gnomo ao lado do percussionista Gildo Madeira e o baixista André Jumper. Eles trazem a Salvador o show “Afrontar”, recém-lançado em turnê na Argentina, apresentando composições autorais e releituras que passeiam por Jackson do Pandeiro, Dominguinhos, Hermeto Pascoal e Chico Science. O Igor Gnomo Group convida o violinista Marcelo Fonseca e o baterista Igor Galindo para o espetáculo.
Quanto: 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Classificação: 14 anos

DIA 15, às 19h
DANÇA: X JORNADA DE DANÇA DA BAHIA – “TOMBÉ” + “ZIRIGUIDUM”
A X Jornada de Dança da Bahia apresenta duas peças numa única noite: “Tombé”, de Jorge Alencar, e “ZIRIGUIDUM – Ideias abertas para tocar e dançar”, do Grupo de Dança Contemporânea da UFBA. 

Tombé – Você já tentou entender o sentido das coisas? Você já teve que inventar alguma teoria? Você já teve longas DRs com colegas de trabalho? Você já teve um chefe? Você já participou de dinâmicas de grupo? Você já perdeu o controle? “Tombé” é um espetáculo para você. Uma espécie de ‘stand up dance comedy’ que se constrói entre diversos vocabulários corporais, teorias cabeludas, desabafos de Facebook, citações de obras de autores variados.

ZIRIGUIDUM – Ideias abertas para tocar e dançar – Busca enaltecer a cultura popular e carnavalesca e entender como a movimentação corporal se relaciona com as músicas de massa. Baseado na dança afro e em ritmos como frevo e maracatu, além de ritmos do carnaval como o pagode e o axé. A peça foi inspirada no trabalho autoral do Núcleo de Percussão da UFBA, que, além da faixa-título, assina toda a trilha sonora do projeto e conta com a direção musical de Jorge Sacramento e Gilberto Santiago.
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Classificação indicativa: Livre

DIA 16, às 19h
DANÇA: X JORNADA DE DANÇA DA BAHIA – “O CORPO E A CIDADE” + “BORDA INFINITA”
A X Jornada de Dança da Bahia apresenta duas peças numa única noite: “O Corpo e a Cidade”, do Balé Jovem de Salvador, e “Borda infinita”, da ExperimentandoNUS Cia. de Dança. 
O Corpo e a Cidade – Trabalho coreográfico resultante de instalações de dança realizadas pelo elenco do Balé Jovem de Salvador (BJS) em espaços públicos de Salvador. Criada em 2007 pelo bailarino e coreógrafo Matias Santiago, a companhia de dança é uma das poucas iniciativas da Bahia que visam à formação artística e profissional do bailarino e à composição de seu portfólio.

Borda infinita – Um encontro de festa, corpos e danças. Um xirê afrofuturista de dançares negros. É um espetáculo-convite ao imaginário de heróis que podemos ser, ou sejamos sem perceber. Nossa armadura é a nossa celebração afetiva de construções poéticas políticas. No batidão do funk, saudamos esses nossos heróis, numa trilha sonora ao vivo livremente inspirada em cantos tradicionais de terreiros, samba-reggae e sonoridades eletrocontemporâneas.
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Classificação indicativa: 14 anos

DIA 17, às 17h
DANÇA: X JORNADA DE DANÇA DA BAHIA – “BONITO”
A X Jornada de Dança da Bahia apresenta a peça infanto-juvenil “Bonito”, de Paula Lice. O que é Bonito para você? Bonito tem muitas caras, muitas idades, muitas cores. Bonito é um supermonstro de mil pernas que abraçam e mil braços que correm! É olhar para trás com os olhos de agora, vendo o que está na roda de mãos dadas, acima, abaixo e dentro também. É brincar com a sua criança e a criança do outro. É inventar maneiras diferentes de se esconder e se revelar e se esconder de novo. É cantar bem alto aquela música engraçada. Comer bala, soprar bola, montar uma cabana iluminada e inventar novos desfiles. É fazer cosquinha no monstro que te assustava na infância e escolher ser um monstro bem bonito amanhã e hoje. É girar ao redor de si até cair e ficar tonto, para levantar e girar mais uma vez. É sentir prazer, é estado de presença, é dançar um monstro bem bonito, para vocês. 
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Classificação indicativa: Livre

DIA 18, às 19h
DANÇA: X JORNADA DE DANÇA DA BAHIA – “INVENTE EXPERIMENTE”
Doze cenas coreográficas protagonizadas por dançarinos e novos talentos selecionados em convocatória pública. Com representantes do interior e da capital da Bahia – tanto de seu centro quanto de suas periferias –, e ainda de outros estados, o INVente EXperimente (INVEX) revela novas faces da dança, abrindo espaço para experimentações e descobertas. O conjunto de apresentações será aberto com trecho do espetáculo “Terra Além Mar”, de Andrea Raw (RJ).
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Classificação indicativa: Livre

DIAS 23, 24, 25 e 30/11
DIAS 1, 2, 7, 8 e 9/12
Sex e sáb, 20h; dom, 17h e 20h
TEATRO: AS TENTAÇÕES DE PADRE CÍCERO
Temporada de estreia da nova montagem do grupo Teatro NU, escrita e dirigida por Gil Vicente Tavares. A peça leva para o palco o personagem Cícero Romão Batista, figura singular na religião e política do Nordeste, com participação em importantes e transformadores eventos do cenário político brasileiro, além de sua reverberação no imaginário artístico e cultural do nosso país. Em cena, o ator Marcelo Praddo repete a parceria com o músico Elinaldo Nascimento, que também atuará, e se junta aos talentosos e consagrados atores Lúcio Tranchesi e Denise Correia.
Quanto: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)
Classificação indicativa: A divulgar

DIA 27, às 20h
TERÇA DA MÚSICA: PEDRO MORAIS
No show “As Rosas Não Falam – Uma homenagem a Cartola”, estreado em 2009, Pedro Morais busca resgatar a irreverência que o sambista mostrava ao interpretar a singularidade da vida cotidiana e amorosa dos morros, expressa nos sambas-canções composto pelo autor e criador da Escola de Samba da Mangueira. Cartola não apenas foi um grande compositor, como também um ótimo intérprete: sua obra conseguia imprimir a marca do cronista dos morros cariocas. Nesta nova formação, Pedro Morais é acompanhado pelos músicos Maurício Azevedo (violão, cavaquinho e flauta), Eduardo Brandão (violão 7 cordas e bandolim), Ilma Nascimento (violoncelo) e Alexandre Lins (percussão).
Quanto: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)
Classificação indicativa: Livre

DIA 28, às 20h
MÚSICA: MOVIMENTO BLACK AFRO POP
Show de mistura das vozes inconfundíveis de Cida Martinez (Samba), Aloisio Menezes (Afro- Pop) e Portella Açúcar, verdadeiros representantes da cultura negra da Bahia, com repertório vasto nas músicas mais populares e contagiantes.
Quanto: A divulgar

Aiace / Foto: Matheus Leite
Fonte http://www.cultura.ba.gov.br
Culturasss

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial